separador topo
Cultura
Skip Navigation Links.
print

Espólios - romanização

A partir do séc. II a. C. a progressiva influência cultural e a ocupação romana do território originaram transformações aos mais diferentes níveis.

Prato covo (séc. I-II)No conjunto dos espólios cerâmicos, regista-se a presença de algumas produções de feição indígena, mas já moldada a torno, progressivamente substituídas pelas novas formas da louça comum romana, mais variadas, de superfícies mais claras, alisadas, por vezes pintadas. São fragmentos de pratos, frigideiras, pequenos recipientes para líquidos, grandes vasilhames para armazenamento de provisões (dolia), panelas e púcaras, uma loiça utilitária de uso generalisado.
A par de loiça de produção local e regional, nota-se a crescente circulação de formas importadas. Regista-se a presença de fragmentos de Terra Sigillata (Terra=Cerâmica; Sigillata/sigilum, a marca do centro produtor), cerâmica romana revestida com um engobe vermelho, superfiícies decoradas, cozida a altas temperaturas, que foi produzida por gerações de oleiros em toda a bacia mediterrânica durante o Império Romano.Fragmento de taça Terra Sigilata (séc. I)

A escavação forneceu um leque variado de formas produzidas na Península Itálica e na Gália, como um fundo de taça com a marca OF COCI, sigilo do oleiro Cocus que trabalhou no sul da Gália, em La Graufesenque e Banassac, entre os anos 14 e 69 dC. Este fragmento foi recolhido sob o lajeado de uma casa, possibilitando a sua datação. Existem também fragmentos de taças de sigillata hispânica e de produções regionais que procuravam imitar fabricos e formas originárias do centro do Império. Em níveis superiores, mais tardios, foram recolhidos fragmentos de taças de sigillata clara C e D, de uma época mais avançada do Império, provenientes de produções norte africanas, em que o engobe avermelhado dá lugar a uma coloração alaranjada.

Referência ainda para o conjunto das cerâmicas cinzentas finas polidas, na sua maior parte constituído por pequenos vasos e recipientes para líquidos, com superfícies decoradas com as caraterísticas faixas brunidas, enquadráveis nos primeiros séculos d.C.

Ossos de CervídioForam ainda recolhidos numerosos vidros de finas taças, de coloração esverdeada ou amarelada, um fragmento de taça de gomos, em vidro multicolorido de técnica milefiori, bem como várias contas de colar em vidro e de uma pulseira em vidro negro. Os fragmentos de ânfora são abundantes, revelando o intenso tráfego marítimo da época, surgindo outros elementos reveladores das atividades que preenchiam o dia a dia das populações: pesos de tear, cossoiros, peças de jogo em cerâmica, entre outros. Foram também recolhidos fragmentos de lucernas e candeias.

Os numismas não são numerosos, tendo sido recolhidas algumas moedas, sobretudo do séc. IV , regra geral, em mau estado de conservação.

Curiosamente, associado a vestígios de uma antiga lareira, surgiram os restos de ossadas cozinhadas de um cervídio, uma espécie que, à época, poderia integrar a fauna da região.


print
separador footer
 
Optimizado para os browsers: Internet Explorer 7, Firefox 3.5 e Safari 5 ou superiores | Em desenvolvimento pela DMSI (Direcção Municipal de Sistemas de Informação) da CMP
Projecto co-financiado por: